O Imposto de Renda e a cessão de crédito de precatórios

CEO Renata Nilsson

O Imposto de Renda é um dos principais tributos cobrados no País. Os frutos da sua arrecadação são direcionados para diversas áreas fundamentais para a população, como a saúde, a educação e a segurança pública.

Cobrado na forma da Lei Nº 8.541/92, o imposto possui inúmeras regras de aplicação, como a definição de renda mínima para isenção, detalhamento sobre as possibilidades de incidência e o que pode ser deduzido. 

Mas você sabe como o imposto de renda é aplicado sobre os precatórios? Quando o recolhimento acontece? E para quem opta por antecipar o recebimento dos valores do processo por meio de cessão de créditos judiciais? Nesses casos, quem paga pelo imposto, o cessionário ou comprador? O imposto de renda é cobrado duas vezes? 

Pensando em todas essas dúvidas, a PX Ativos Judiciais preparou esse artigo completo e atualizado com tudo o que você precisa saber sobre esse assunto. Confira e boa leitura!

 

Quando é feita a cobrança do imposto de renda sobre precatórios? 

A incidência desse imposto sobre precatórios está prevista no artigo 46 da referida lei. Esse dispositivo estabelece que “o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos pagos em cumprimento de decisão judicial será retido na fonte pela pessoa física ou jurídica obrigada ao pagamento, no momento em que, por qualquer forma, o rendimento se torne disponível para o beneficiário.”

Ou seja, quando o titular do crédito do precatório recebe o valor diretamente, no final do processo, ocorre a cobrança do Imposto de Renda, uma vez que tal recebimento representa um ganho de renda para o titular do direito. Nesses casos então, o recolhimento do imposto ocorre no momento do efetivo recebimento do precatório.

 

E para quem opta pela antecipação dos créditos judiciais? 

Contudo, a situação é diferente para aqueles que optam por realizar a antecipação do recebimento dos valores a que têm direito, por meio da cessão de crédito judicial. Nesses casos, o imposto não deve ser cobrado de quem recebe o valor antecipado de terceiro, já que é previsto um deságio para a realização desse tipo de negócio, ou seja, há um desconto sobre o valor original do precatório.

De acordo com o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, em casos de antecipação de valores de precatórios, por meio da cessão de crédito judicial com deságio, não deve ser cobrado o Imposto de Renda do cedente, uma vez que não há ganho de capital para o mesmo, o que atrairia a incidência do tributo.

Isto também é muito importante porque evita a cobrança dobrada, afinal o Imposto de Renda deverá ser pago apenas posteriormente: no momento do recebimento pelo “comprador” do crédito, e para o cessionário apenas no final do processo.

 

A venda de precatórios é a melhor alternativa

Assim, a cobrança do tributo apenas no final do processo, no efetivo recebimento, torna a negociação do ativo judicial ainda mais atrativa tanto para quem cede o crédito quanto para quem adquire o precatório.

Conforme visto, o temor da “mordida do leão” não deve ser empecilho para a busca pela antecipação dos valores oriundos de precatórios por meio da cessão de crédito. O fundamental é buscar uma empresa especializada em direitos creditórios, que apresente uma proposta adequada à negociação do ativo judicial, proveitosa tanto para o cedente quanto para o investidor.

Antecipe o pagamento do seu precatório com a PX

A antecipação de precatórios na PX Ativos Judiciais é feita de forma ágil e segura, com atendimento humanizado que analisa os detalhes de cada caso no momento da elaboração da proposta ao cliente, esclarecendo quaisquer dúvidas que possam surgir.

Quais as vantagens de vender meu precatório na PX? Aqui você encontra:

Agilidade: Antecipando o crédito, você pula todo o trâmite do prazo e pode receber seu dinheiro em até 6 dias úteis;

Segurança: A PX é uma empresa referência no mercado, que garante transparência total na hora da venda e pagamento garantido pela Galapagos;

Transferência de riscos: O cenário de precatórios envolve economia, política e normas que sempre sofrem alterações, ao vender você transfere esses riscos e acaba com as preocupações.

Para mais informações, basta entrar em contato com o nosso time, que está pronto para te atender e responder a todas as suas perguntas. 

Se deseja ficar ligado em tudo o que acontece em relação a precatórios, pagamentos e prazos, não perca os outros artigos do nosso blog e acesse também o nosso site e redes sociais.

*Renata Nilsson, formada em Comunicação Social e Direito pela Universidade Anhembi Morumbi, com especialização em direito corporativo e compliance, acumula 11 anos de experiência na advocacia contenciosa e na estruturação de operações no mercado financeiro. Renata participou de diversas operações de M&A, contingenciamento de passivos judiciais e gestão e validação de créditos. Atualmente atua como consultora especializada de diversos fundos de investimentos (FIDCs) e plataformas de investimento, focados na aquisição de créditos judiciais, incluindo créditos judiciais trabalhistas, cíveis e precatórios como CEO e sócia da PX Ativos Judiciais.

Receba uma proposta personalizada gratuitamente!

Os especialistas da PX Ativos Judiciais vão analisar o seu caso e fazer uma oferta exclusiva.

💬 Precisa de ajuda?